quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Uivo - documentário sobre António Sérgio | 13 Nov | 21.30h | galeria História e Arte (Bragança)

UIVO
documentário sobre António Sérgio 
Realizado entre Março e Setembro de 2014, "Uivo" é um documentário sobre a voz de António Sérgio. 
Figura de proa da música alternativa em Portugal, António Sérgio nasceu em Benguela no ano de 1950 e desde cedo seguiu as pisadas do pai no universo radiofónico. 
Cruzou a Rádio Renascença, Comercial, XFM e Radar, apresentando programas obrigatórios para as gerações atentas como “Som da Frente” (1982-1993), “Lança-Chamas” (1983-1990) ou “A Hora do Lobo” (1997-2007), onde brindava os ouvintes com as novidades sonoras, desde o Pop ao Punk, passando pela World Music e Folk. mas nem só de rádio circundava a vida de António Sérgio. Redigia para a “Música & Som”, “Rock em Portugal”, “Blitz”, etc. e trabalhou no mundo da edição, destacando-se o polémico disco pirata “Punk Rock ‘77”, e o primeiro single dos Xutos & Pontapés, pela sua editora Rotação. 
António Sérgio faleceu imprevisivelmente no último dia de Outubro de 2009. 
Em “Uivo”, o documentarista Eduardo Morais ("Meio Metro de Pedra"/"Música em Pó") fará um retrato deste divulgador prestando lhe a mais que merecida homenagem. Este documentário conta com a participação de familiares, músicos, colegas e amigos do radialista, nomeadamente Zé Pedro, João David Nunes, Jaime Fernandes, Nuno Galopim, Fernando Ribeiro, Tó Trips, David Ferreira, entre muitos outros.


21h30 // 3eur
produção:
Dedos Biónicos

sábado, 27 de setembro de 2014

JOSÉ BARRIAS | 4 de Out | 17.30 h | Galeria História e Arte | Bragança


Quando há três anos “descobri” José Barrias em Serralves senti um sobressalto na maneira de me relacionar com o trabalho da arte. O efeito, ou o “eco” de tudo o que vi, senti e pensei perdurou em réplicas várias que me fizeram repensar modelos e fronteiras desse trabalho. A contemporânea democracia virtual permitiu-me, desde Bragança, aproximar-me do autor, que vive em Itália, e questioná-lo. A partir desse momento no meu imaginário cartográfico Bragança e Milão ficaram mais próximas e agora é o amplo voo de José Barrias que chega ao nosso telúrico “reino maravilhoso” para selar este ciclo de correspondências, que fica selado mas não fechado…
EN

No dia 4 de Outubro sábado (dia de São Francisco) às 17.30h temos o prazer de apresentar a todos quantos nos quiserem acompanhar as Correspondências de José Barrias na galeria História e Arte, Bragança, contamos com a presença do autor que vem de Itália para brindar connosco!
Agradecemos a vossa visita :)

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

JOSÉ BARRIAS | CORRESPONDÊNCIAS | Galeria História e Arte | Bragança

A obra de José Barrias*, “o coleccionador de ecos”, é ampla e plural, subtil e literária, clássica e contemporânea… e porque nos faz sentir e pensar tudo isso pareceu-nos bom trazê-lo ao nosso território. Depois de dois anos de CORRESPONDÊNCIAS agora temos o imenso prazer em as partilhar entre todos os que nos quiserem acompanhar!

*http://www.publico.pt/temas/jornal/jose-barrias-o-coleccionador-de-ecos-21988088


Fotografia de Antonio Madona 

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

JOSÉ BARRIAS | Galeria História e Arte | Bragança


QUE HÁ DE NOVO NA CIDADE? 

                                      JOSÉ BARRIAS* 
                                      Na Galeria História e Arte | Bragança
                                      em OUTUBRO!


*José Barrias (1944) é um artista português residente em Milão que inicia o seu trabalho no início da década de 70, construindo narrativas visuais através do desenho, da pintura, da fotografia e da instalação. A memória íntima articula-se com a memória dos lugares e da História nos seus trabalhos. O tempo como passagem é convocado a partir da acumulação de vestígios e de referências onde a composição visual resulta da convergência das imagens e das histórias. O romance filosófico adquire assim a dimensão de um romance visual. Ou de "quase um romance…”, como diria Barrias, que assume o inacabado como condição da obra aberta que as suas narrativas constituem. 
João Fernandes; Serralves 2011

sábado, 16 de agosto de 2014

Do gesto Da palavra | João Ferreira | escultura | 2014





(fotografias cortesia de Manuel Teles)

Calíope esteve cá…
mas, foi-se


A pluralidade de modelos de comunicação representados ilustra a persistente vontade de promover o entendimento, bem como, a complexidade que o processo implica. A palavra, registada em signos gráficos, inscreve-nos na História, definindo cronologias e estruturando o pensamento. O autor revela-a num rolo metálico que gira, ao toque, repetindo as palavras como uma roda de orações repete as mantras. A oração é assumida como forma primeira de comunicação, da proposição da gramática à retórica, anuncia-se como caminho percorrido em cada palavra criada e dita. O livro guarda as palavras e o discurso liberta-as no espaço. A esta perturbadora densidade de linguagens o autor opõe a persistência na escuta, sugerindo a humildade desejável ao entendimento. 
Emilia Nogueiro

sexta-feira, 25 de julho de 2014

GALERIA HISTÓRIA E ARTE | BRAGANÇA | 7 ANOS!

Há sete anos, num dia assim, abríamos pela primeira vez as portas da nossa galeria ao mundo!  
Que possamos servir outros sete anos! É o que pedimos por ora  E para que isso seja possível agradecemos a todos os nossos colaboradores e a todos quantos nos acompanham por tornarem luminoso este caminho  




 pormenor do retábulo do Senhor dos Passos Igreja de São Francisco Bragança

sábado, 19 de julho de 2014

domingo, 22 de junho de 2014

Inauguração | Exposição | João Ferreira | sexta dia 27 de Junho | Galeria História e Arte | Bragança


Do gesto
Da palavra
João Ferreira | escultura | 2014

 Não se trata de uma visão maniqueísta da realidade, mas de uma narrativa exploratória dos claros-escuros que lhe definem o caminho. A inquietação no prazer de por as mãos a fazer coisas define obstinadamente o processo criativo do João Ferreira, sempre corpóreo, concreto, objectual e enraizado na intemporalidade do gesto.
A persistente vontade de transformar e reutilizar materiais desprezados supõe mais que uma crítica ao consumo contemporâneo pois assume a intervenção como acção sobre o objecto que descontextualizado da sua funcionalidade é interpretado na obra como matéria-prima. A sujeição aos recursos desaproveitados não constitui por isso uma limitação, sendo até propiciadora à continuada experimentação plástica que consolida o percurso do autor.
Simultaneamente a talha das madeiras autóctones evidencia a força do território que sempre transpira dos materiais naturais que, com as mãos, João Ferreira transforma. A Nogueira, o Carvalho, o Castanheiro e o Olmo, compartem o tempo e o espaço que guardam dentro impondo-se na obra como elemento revelador do diálogo que com o escultor mantêm. É a esse diálogo que o autor humildemente se entrega na incessante procura da forma comunicante.
A presente mostra dos trabalhos escultóricos do João Ferreira reúne as obras produzidas nos últimos meses, ocupando as duas salas de exposição da galeria.
A primeira sala sugere uma visão irónica do quotidiano, um quotidiano cheio de figuras risíveis no gesto e na atitude. O humor confronta-nos com clichés e causas com que a diário tropeçamos, assumindo-se como resposta compensatória à disfuncionalidade que nos acompanha.
A sala interior provoca uma reflexão mais séria, menos risível e inquestionavelmente mais perturbadora. Todo o espaço nos confronta com o Verbo entendido como Palavra, Discurso, Comunicação. O autor usa a oratória ou as novas e velhas tecnologias da comunicação para tentar entender ou questionar o aparato criado para facilitar a linguagem. Aos modelos de comunicação sugeridos opõe a persistência na escuta, sugerindo a humildade desejável ao entendimento.
Emília Nogueiro

terça-feira, 3 de junho de 2014

Marco Costa | caderno de esboços ou a arte desinteressada | palestra | galeria HISTÓRIA E ARTE | 04 de Junho 2014 | 17.30h

Viva!
É com muito gosto que convidamos para assistir à palestra de Marco Costa "caderno de esboços ou a arte desinteressada" articulada com a presente exposição individual dos diários gráficos do autor "entre o desenho e o coração".
Amanhã, quarta-feira dia 04 de Junho às 17.30
Agradecemos a vossa presença :)



domingo, 25 de maio de 2014

Cinema. Às Segundas | Galeria HISTÓRIA E ARTE | 21.30 h | BRAGANÇA

Na sessão de 26 de Maio, a última antes da pausa estival, projectamos o filme - Doutor fausto (1967) de Richard Burton e Nevill Coghill, 93 min.
Esperamos que seja do vosso agrado e agradecemos a vossa visita!
O "Cinema. Às Segundas" na Galeria HISTÓRIA E ARTE estará de volta em Setembro :)



domingo, 18 de maio de 2014

Cinema. Às Segundas | Galeria HISTÓRIA E ARTE | 21.30 h | BRAGANÇA


Na sessão de 19 de Maio projectamos o filme - A visita (1964) de Bernhard Wicki, 96 min
Esperamos que seja do vosso agrado e agradecemos a vossa visita! Cumprimentos e votos de boa semana!





terça-feira, 6 de maio de 2014

Exposição Individual | Marco Costa | Entre o Desenho e o Coração | 17.30 | 08 de Maio 2014 | Galeria História e Arte | Bragança


Marco Costa | Entre o Desenho e o Coração
EXPOSIÇÃO INDIVIDUAL | DIÁRIOS GRÁFICOS

Sobre a exposição
Os diários gráficos do Marco Costa têm mais desenhos que dias. Esta ânsia experimental pela plasticidade do desenho seduz-nos a espreitar o quotidiano registado nos quase vinte cadernos expostos. Se bem que, na verdade, as obras não estejam expostas, mas, partilhadas, e na condição de serem exploradas devagarinho, porque são diários pessoais e, enquanto tal, têm sempre algo de secreto, que intima o observador à cuidadosa invasão do privado.
Às vezes são quase pequenas narrativas, contos, descontinuados e reunidos em conjunto apenas porque o formato do caderno assim os obriga.
O suporte é o fólio, em cadernos de formatos variados, desde o caderno de notas de bolso com folhas brancas ou quadriculadas, a caderno de argolas, e/ ou em cadernos resgatados e reutilizados. Todos estão intensamente preenchidos do princípio ao fim.
Acompanham o desenho, colagens e assemblagens de bilhetes e etiquetas, excertos de textos e comentários que traçam o quotidiano do autor desde 2009 até ao presente. Mas é o interior do processo criativo e exploratório do desenho que propicia a intimidade da descoberta das centenas de registos de detalhes anatómicos, do rosto e mãos em gestos bruscos ou suaves; figuras públicas e privadas, em silhuetas isoladas ou em grupos alvoroçados. A figura humana na pluralidade de movimentos, formas, atitudes e expressões é o elemento mais amplamente explorado nos exercícios das potencialidades do desenho, e dos materiais, também eles plurais com predomínio da grafite, do carvão e das esferográficas. As linhas curvas dos corpos contrastam com as formas concretas das letras e números, tramas e padrões e uma imensa variedade de objectos do quotidiano que emergem nas atentas composições que o autor, mais que uma vez por dia, regista.
O conjunto de desenhos do Marco Costa agora exibidos comove pelo virtuosismo no domínio das técnicas, mas, sobretudo pela constante prática e experimentação, pela continuada inquietação por ver e descrever.
Emília Nogueiro

Sobre o autor:
Marco António Costa
Vila Nova de Gaia, 1978;
Licenciado em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP);
Mestre em Arte Multimédia pela FBAUP;
Doutorando em Arte e Design pela FBAUP;
Docente do Departamento de Artes Visuais da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança;
Membro do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (I2ADS);
Participou, desde 2001 em mais de 90 eventos expositivos ligados ao Design, Artes Plásticas e Multimédia.

domingo, 4 de maio de 2014

Cinema. Às Segundas | Galeria HISTÓRIA E ARTE | 21.30 h | BRAGANÇA




























Na sessão de 5 de Maio projectamos o filme - Medeia (1969) de Pier Paolo Pasolini, 110 min
Esperamos que seja do vosso agrado e agradecemos a vossa visita!
Cumprimentos e votos de boa semana!

domingo, 27 de abril de 2014

Cinema. Às Segundas | Galeria HISTÓRIA E ARTE | 21.30 h | BRAGANÇA


Na sessão de 28 de Abril projectamos o filme - César deve morrer (2012) de Paolo e Vittorio Taviani, 76 min.
Esperamos que seja do vosso agrado e agradecemos a vossa visita!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Exposição Colectiva | 17.30 | 10 de Abril 2014 | Galeria História e Arte | Bragança

SANTA MORTE
Reflexos viáticos da irrepetibilidade dos Passos
Colectiva de 
Miguel Moreira e Silva








































Desde o gesto de deposição de ocre sobre os corpos dos mortos no paleolítico até às esculturas fúnebres dos cemitérios oitocentistas a prática artística parece ter estado sempre próxima do grande mistério – A Morte.
No entanto, contemporaneamente, a pressão do tabu é inevitável, constrangem as ideias metafísicas que o envolvem e o âmbito de estudo científico, demográfico, filosófico ou literário apesar de paliativo na desmontagem metodológica do medo, separa abissalmente a Morte do cidadão comum e da linguagem do quotidiano. Para melhor entender a narrativa criada na presente mostra colectiva, encontramos amparo nas palavras de Philippe Ariès: A atitude antiga, em que a morte é simultaneamente familiar, próxima e atenuada, indiferente, opõe-se muito à nossa, em que a morte provoca medo, a ponto de nem ousarmos dizer-lhe o nome (…) Uma nova forma de pudor exige que se oculte o que outrora era necessário expor ou mesmo simular: o desgosto (…) A morte deixou de ser o lugar da tomada de consciência do indivíduo e hoje não é mais do que o inverso do que é visto, conhecido, falado…
A presente exposição regista o próximo e o diferente numa perspectiva colectiva que se pretende propiciadora à fraterna comunhão da nossa condição de mortais de irrepetíveis passos. Não se pretende fomentar o simples prazer da transgressão explorando um tema tabu mas sim comunicar inquietações comuns. Eventualmente, não fugindo aos paradigmas contemporâneos, poder-se-á suscitar, ou melhor, partilhar a dúvida.
Os autores representados, João Ferreira-Janjã, Manuel Teles e Miguel Moreira e Silva, não só partilham o mesmo tempo mas também o espaço – interior transmontano. O contexto de fraca densidade populacional, abandono, e envelhecimento é inquestionavelmente revelador da original transversalidade do tema que emerge espontâneo nas diferentes práticas artísticas dos autores agora reunidos nesta exposição.
Emília Nogueiro 

domingo, 6 de abril de 2014

Cinema. Às Segundas | Galeria HISTÓRIA E ARTE | 21.30 h | BRAGANÇA

Na sessão de 7 de Abril projectamos o filme  Édipo Rei (1967) de Pier Paolo Pasolini, 104 min
Esperamos que seja do vosso agrado e agradecemos a vossa visita!
Cumprimentos e votos de boa semana!



























ps. Respeitamos a pausa da Páscoa nas sessões de Cinema, retomaremos a programação dia 28 de Abril.