terça-feira, 24 de maio de 2016

Territoires d'Artistes: Belleville-Bragança

Cher amis de les Ateliers d'Artistes de Belleville AAB
Nous vous remercions de coeur le exceptionel accueil que vous nous avez fait. Nous sommes tous enchantés et nous vous attendons à Bragança prochainement. 
Merci a tous et a bientôt



quinta-feira, 12 de maio de 2016

Territórios de Artistas | Exposição Coletiva da galeria História e Arte de Bragança na Galeria AAB - Ateliers d’Artistes de Belleville, Paris

Territórios de Artistas | 19 a 22 de Maio de 2016
Exposição Coletiva da galeria História e Arte, Bragança na
Galeria AAB - Ateliers d’Artistes deBelleville, Rue Francis Picabia, Belleville, Paris

É com um amplo sorriso de contentamento que fazemos saber que aos dezanove dias do mês de Maio do ano de dois mil e dezasseis iniciaremos um projecto de intercâmbio com a Galeria Ateliers d’Artistes de Belleville, Paris.

(imagem cortesia de Paola Afonso)
A intenção é criar uma aproximação entre dois territórios diversos mas que as galerias intervenientes relacionam numa narrativa conjunta. Na persistência de uma cartografia emocional ampliamos neste novo caminho o nosso território-rede até Belleville. A vontade, o interesse e a curiosidade mútuas são os elementos que propiciam a ligação e definem os contornos deste novo território coletivo.

Sobre a exposição | Território de Artistas

Da galeria História e Arte de Bragança foram seleccionadas várias obras de três dos artistas residentes: Carmelo Calvo (Valhadolid, Espanha), João Ferreira – Janjã (Bragança, Portugal), Miguel Moreira e Silva (Bragança, Portugal). São três autores muito diferentes nas técnicas e nos materiais, mas aproxima-os o olhar critico sobre o território e o respeito pela ancestralidade de todas as vidas que antes deles o tentaram modelar. O território é percebido num sentido amplo que rompe a fronteira política que divide Portugal e Espanha criando na galeria História e Arte um espaço transfronteiriço comum.
As imagens criadas por Carmelo Calvo decorrem da relação emocional que o autor estabelece com as pessoas e com as paisagens fixadas. A câmara é percebida como caminho exploratório do eu a partir do confronto com a alteridade num registo que reflecte o interesse simultâneo pela imagem definida e pela expressão emocional próxima da abstracção.
O processo criativo do João Ferreira- Janjã é sempre corpóreo e objectal. Resulta da persistente vontade de reutilizar materiais desprezados pelo consumo contemporâneo. Simultaneamente a talha das madeiras autóctones de Nogueira, Carvalho, Castanheiro e Olmo evidencia a força do território que transpira dos materiais naturais que, com as mãos, João Ferreira transforma.
Os trabalhos de Miguel Moreira e Silva deambulam entre múltiplas técnicas das quais se destaca a pintura, assemblage e a escultura. Explora o ecletismo dos elementos traduzindo uma atitude livre de categorizações. Cria narrativas, explora episódios pessoais, memórias, onde a plasticidade dos objectos e a carga simbólica das formas assumem o valor lexical do registo.
Convidamos para nos acompanhar António Fernandes um artesão local que partilha o nosso compromisso com o território.

Até dia 22 de Maio a exposição colectiva estará aberta ao público na Galeria Ateliers d’Artistes de Belleville, Paris. Em Outubro receberemos na galeria História e Arte em Bragança uma exposição colectiva dos artistas da Galeria Ateliers d’Artistes de Belleville, Paris. Partindo das duas residências, dos artistas de Bragança em Paris e dos artistas de Paris em Bragança hão-de chegar novas exposições no ano de 2017. 

sexta-feira, 29 de abril de 2016

ANTÓNIO SÁ | A RAZÃO DE ESTAR – Paisagens em fotografia | Galeria História e Arte | Bragança

Inauguração 6 de Maio | 17.30h 
Temos o imenso prazer de vos convidar para a inauguração da exposição "A RAZÃO DE ESTAR - Paisagens em fotografia" de António Sá, sexta, dia 6 de Maio a partir das 17.30h na galeria História e Arte, Bragança.
Agradecemos a vossa visita!


A RAZÃO DE ESTAR – Paisagens em fotografia
António Sá | Fotografia
Galeria História e Arte | Maio de 2016
Sobre a exposição: 
Mais do que andar, importa estar. Sentir. Contemplar.
Só assim nos apercebemos do espetáculo das pequenas e das grandes coisas, tudo aquilo que cabe na paisagem - no horizonte panorâmico da nossa visão.
Falo do bailado inquieto da luz na vastidão da estepe, das texturas que se definem e se apagam na areia do deserto, do calor tropical e do vento do ártico, do grasnar agitado no meio dos caniços ou dos diferentes silêncios da tundra.
As paisagens são fascínio e temor, conforto e desalento, o tudo e o nada. Estão lá para nos lembrarem a verdadeira escala das coisas, reduzir-nos à essência, ao nosso lugar.
Basta parar e olhar.
Cada uma destas imagens, captadas em distintos pontos do globo, representa a síntese de um momento de contemplação. Fotografias a que António Sá acrescentou palavras decisivas para nos ajudar a chegar o mais perto possível, sem ter de sair do lugar.
António Sá

Sobre o autor:
ANTÓNIO SÁ
António Sá iniciou a atividade de repórter independente em junho de 1995.
Desde então, tem produzido inúmeras reportagens – texto e fotografia – quase sempre associadas à temática das viagens, do turismo e do lazer, publicadas nos principais títulos de Portugal e de Espanha ligados a este setor. Alguns exemplos são a edição portuguesa da National Geographic e o jornal Público, em Portugal, ou as revistas Viajes National Geographic, Altair e Rutas del Mundo, em Espanha.
Paralelamente, tem desenvolvido ações como formador, organizando workshops e photo-tours em ambos países ibéricos. As iniciativas ao nível da formação em fotografia têm sido também realizadas em parceria com outras entidades, como é o caso da Fundação de Serralves, ou solicitadas por estabelecimentos de ensino, como o Instituto Politécnico do Porto, onde durante dois anos foi orientador da disciplina Projeto Fotográfico do curso de Tecnologia da Comunicação Audiovisual.
Em 2009 e 2010, na qualidade de repórter profissional, conduziu várias viagens fotográficas para a agência portuguesa Nomad, tendo como destino a Islândia e Marrocos.
António Sá tem também estado envolvido em projetos de maior envergadura, fazendo a captação fotográfica para exposições, livros, vídeoprojeções e sites, entre muitos outros suportes.
Destes, destacam-se o documentário “Portugal: um outro olhar” do National Geographic Channel (uma viagem fotográfica pelos sítios Património da Humanidade em Portugal), onde foi protagonista e autor da exposição que esteve patente no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa; o projeto Douro/Duero (património da Humanidade na bacia hidrográfica do Douro) para a Fundação Rei Afonso Henriques, com a produção de duas exposições itinerantes; ou a candidatura à UNESCO da Reserva da Biosfera Transfronteiriça Meseta Ibérica, para o ZASNET – Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial.
O seu percurso como fotógrafo profissional tem sido reconhecido e utilizado como exemplo por empresas ligadas à imagem, nomeadamente a EPSON, Nokia e FNAC.   
Desde 2010, e por opção, António Sá vive com a mulher e os seus dois filhos numa pequena aldeia do concelho de Bragança, na área do Parque natural de Montesinho. 
António Sá

terça-feira, 15 de março de 2016

sábado, 16 de janeiro de 2016

Catarina Loura | Fotografia | Galeria História e Arte Bragança | Inauguração 23 de Janeiro 17.30h




Family's Portrait 
Catarina Loura | Fotografia
Galeria História e Arte | Janeiro de 2016
Family´s Portrait é a primeira exposição individual de Catarina Loura. Este novo projecto da autora adiciona um capítulo ao seu processo de busca da identidade, que constitui a sua prática artística. Neste trabalho Catarina Loura realiza uma evocação da memória de alguns antepassados através de fotografias de objectos que lhes pertenceram. No sótão da sua casa de família, a artista encontra nos objectos deixados por várias gerações o material para realizar a sua investigação que se constitui numa espécie de arqueologia pessoal. 
Bruno Pelletier Sequeira

Sobre a autora:
Catarina Loura nasceu em 1975. Estudou Canto Lírico na Academia de Amadores de Música e Canto e Piano na Escola Luís Villas-Boas - Hot Clube de Portugal. Iniciou os seus estudos em fotografia no Atelier de Lisboa em 2006. Participou nas exposição colectivas do Atelier de Lisboa: Projecto Alvito, Ateliers do Matadouro, Alvito, 2009 com o trabalho Mute e na exposição colectiva Novos Trabalhos, Confeitaria, Lisboa, 2013 com os trabalhos Natureza Morta / Poder. Em 2015 inaugura a primeira individual "Family's Portrait - Subtitles" no MOB em Lisboa e "Valise Éphémère de Fantaisie" em Paris no Cinema Desperado no 5eme. Tem desenvolvido trabalho na área da memória e da identidade.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Maria Adelina Sousa | NÉVOA | Galeria História e Arte | Bragança

Desejamos os melhores votos para o Novo Ano e lembramos que estamos já nos últimos dias da exposição de fotografias "Névoa" de Maria Adelina Sousa.
Cá vos esperamos! :)


sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Boas Festas e Bom Ano Novo!

Menino Jesus Salvador do Mundo (pormenor)
Oficina espanhola; madeira policromada; finais do XVII \
 primeiro quartel do século XVIII; Sacristia da Igreja de São Francisco, Bragança.
Julgamos que esta imagem seria originalmente do mosteiro das monjas beneditinas e poder-se-á tratar do "Menino Fosquinho" que Borges, José Cardoso, Memórias de Bragança, (1721-1724) referiu. Borges descreveu os vários milagres que o "Menino Fosquinho" operou. O primeiro milagre manifestou-se na escultura do Menino Deus, que “sendo de escultura tosca e andava pelas mãos das meninas com o nome de fosquinho, se fez tão formoso que rouba os corações a sua vista”. A capela do "Menino Fosquinho" estava na cerca do mosteiro de Santa Escolástica que já não existe. Atualmente de todo o complexo monástico beneditino resta apenas a igreja. 
EN

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

NÉVOA | Fotografia | Maria Adelina Sousa | Galeria História e Arte | Bragança

Ao contrário da névoa fria que nos envolve há vários dias a "Névoa" que expomos na galeria História e Arte é quente e propiciadora de novos olhares mesmo quando incide sobre espaços de tempos idos...
Agradecemos a vossa visita :)



segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Maria Adelina Sousa | Fotografia | Galeria História e Arte Bragança | Inauguração 29 Outubro 17.00h

Névoa
Maria Adelina Sousa | Fotografia
Galeria História e Arte | Outubro de 2015

Sobre a exposição:
Névoa | exposição de fotografia
A Névoa envolve a cidade invisível criada nas narrativas visuais de Maria Adelina Sousa.
A cidade histórica, densa, carregada de memórias e de tantas vidas, dissipa-se em névoa e partilha os mesmos nublosos contornos dos seus cidadãos. O tempo das imagens é a noite e o escuro quase negro do céu é cortado pela alegre jovialidade da luz artificial que dança em sugestivas linhas curvas entre o edificado e os seus herdeiros. A luz, a Névoa, o passado e o diário, a cidade e os cidadãos compartem o mesmo sonho que Maria Adelina Sousa criou. A escassa presença de figura humana lembra a morte anunciada pela desertificação das cidades periféricas que definham. Mas os transeuntes que caminham pela vida que Maria Adelina registou, nunca vão sozinhos e contenta-nos ver e sentir a promessa nas relações dos gestos captados.

A fotografia é usada pela autora como registo poético da permanente busca na alteridade, no território, na paisagem, no detalhe natural e transformado, de um espaço de comunhão inscrito em linguagem individual, mas aberto a todos os olhos.

Sobre a autora:
Maria Adelina Sousa – Nasce em 3 de Março de 1948, em Bragança. Vive e trabalha em Leiria desde 1970. Inicia o seu percurso na fotografia em 1993, desenvolvendo e participando em diversos projectos individuais e colectivos.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

OS AUTO-RETRATOS E A BOA GESTÃO DAS FONTES DOCUMENTAIS DO FUTURO :)


(imagem adaptada a partir de um auto-retrato de Helena Almeida e de um escrito anónimo registado na página de facebook "O que diz Lisboa)
É urgente libertar os historiadores do futuro da pressão das biografias de um sem número de “individualidades” cujo registo corpóreo (integral ou parcial, a preto e branco e a cores, artístico ou quotidiano) nos inunda a diário os monitores e se não paramos já acredito que irão inevitavelmente ocupar os futuros arquivos e museus (pelo menos no nosso pequeno país). Que me desculpem os fãs das “selfies” mas a mania transformou-se numa maldição! O tempo estival é propício à contemplação e o corpo humano é uma maravilha! Suponho que estes lugares comuns são mais ou menos indiscutíveis. Mas a publicação da relação individual com o espelho que o auto-retrato supõe sugere-me outras inquietações… talvez a mais difícil de desmontar seja provocada pelo abissal contraste entre o dramático cenário que nos envolve enquanto colectivo e o individual encantamento embevecido que a esmagadora maioria dos auto-retratos “espelha”?! Como é possível? Como é que se consegue tanta auto-satisfação? Não será pernicioso estarmos a assoberbar-nos de nós próprios? Não pretendo entrar em questões claramente anacrónicas sobre vícios e virtudes mas desde quando é que a vaidade passou para o lado bom? Na interpretação do fenómeno tentei outras justificações que ultrapassem a simples vaidade individual e me ajudem a entender esta obsessão contemporânea. Pensei na solidão, na vontade de agradar, no auto-conhecimento e até em práticas terapêuticas (que em auto-retrato pretensamente artístico substituí por processos catárticos). Todas estas justificações serão melhor desculpa para este fenómeno que a vaidade mas mesmo assim parecem-me pretextos curtos para tanta e tão variada auto-representação…
EN

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Inauguração | Graça Morais | Metamorfoses | 16 de Abril | 17.30h | Galeria HISTÓRIA E ARTE | Bragança


A pintura e o desenho de Graça Morais chega sob o titulo “Metamorfoses” às paredes da nossa galeria - História e Arte, em Bragança.
O imaginário da autora é parte da corrente que constrói e explora a nossa identidade a partir do entendimento emocional. A sua origem em Trás-os-Montes permite-nos, a quantos partilhamos o mesmo espaço, apropriarmo-nos dessa linguagem. Sabendo porém, que não fala só a transmontanos, mas a todos.
As figuras e as cenas que cria ampliam e aprofundam a relação com o espaço, com o território, naquilo que dele fica em nós. Os picos, garras, patas e chifres entram nas figuras humanas e aproximam-nas de um biocentrismo perdido, primitivo e antigo, anterior ao antropocentrismo do Livro e à divisão entre biologia e cultura. E aí a sua voz é plural, nessa metamorfose bestial e instintiva entra toda a humanidade, de todos os espaços e tempos.
A esperança opera-se na interdependência que se assume na vulnerabilidade partilhada. Os gritos e os gestos saem da narrativa para evocar a resiliência, perante os medos comuns, que pacifica a natureza das figuras, e a nossa ao comtemplá-las.
Emília Nogueiro

domingo, 12 de abril de 2015

quarta-feira, 4 de março de 2015

Exposição colectiva | Coomonte | Lorenzo González | Arturo Martínez | Teresa Sarto | Eusebio San Blanco | Galeria História e Arte | Bragança

Exposição colectiva:

Jovens Promessas
Hemisfério Norte
Tardios divertimentos de Outono em Bragança

Coomonte
Lorenzo González
Arturo Martínez
Teresa Sarto
Eusebio San Blanco



17 de Janeiro a 3 de Abril de 2015

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Jovens Promessas | Galeria História e Arte | Bragança | 17 de Janeiro a 3 de Abril 2015 | catálogo digital




Cinco creadores, profesores de la Facultad de Bellas Artes de la Universidad de Salamanca, y a pesar de eso, artistas y amigos, que se juntan para celebrar que el paso del tiempo no ha podido ni con ellos ni con lo que son.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Jovens Promessas | Galeria História e Arte | Bragança | 17 de Janeiro a 3 de Abril 2015



No dia 17 de Janeiro, às 17.00h, temos o imenso prazer de partilhar com todos quantos nos quiserem acompanhar, a exposição colectiva:

Jovens Promessas
Hemisfério Norte
Tardios divertimentos de Outono em Bragança

Coomonte
Lorenzo González
Arturo Martínez
Teresa Sarto
Eusebio San Blanco

Contamos com a presença dos autores que vêm de Espanha para brindar connosco!
Agradecemos a vossa visita :)
Até lá!

um bocadinho da
HISTÓRIA DA EXPOSIÇÃO
Por Elena Vicente Mínguez
....Cinco creadores, profesores de la Facultad de Bellas Artes de la Universidad de Salamanca, y a pesar de eso, artistas y amigos, que se juntan para celebrar que el paso del tiempo no ha podido ni con ellos ni con lo que son....

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Cinema | Estreia | A Terra dos Carecas | de Bernardo Rao | 11 de Janeiro | 21.00h | galeria HISTORIA E ARTE Bragança



Bernie Rao chega da Nova-Zelândia para nos musicar ao vivo a sua obra de ficção. O filme (90 minutos) chama-se “A Terra dos Carecas” e é um misto de comédia negra, sátira social e drama distópico. A história passa-se na Nova Zelândia, num futuro próximo, e a narrativa gira à volta de uma lei polémica e radical que o primeiro-ministro neozelandês faz passar sem explicação, tornando a calvície num crime grave. Um grupo de homens calvos parte em busca de um mítico lugar escondido numa reserva natural, onde os carecas ainda podem viver em liberdade. Mas a Guarda Capilar está no seu encalço... 
BR