quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Abade de Baçal em Bragança candidato a Museu Europeu do Ano

«O museu do Abade de Baçal, em Bragança, é candidato ao prémio do Museu Europeu do Ano, tornando-se no primeiro de âmbito regional da rede nacional a concorrer ao galardão que anualmente distingue museus em toda a Europa.»
Quanto orgulho senti quando vasculhando o PÚBLICO li esta noticia... é muitissimo bem merecido o reconhecimento e oxalá se concretize!! Tudo se deve à fabulosa figura do Abade de Baçal, tratado pelos amigos por Robespierre ou apenas Robs (familiaridade a que me atrevo depois de ter tido o previlégio de ler a correspondencia pessoal do próprio... as pesquisas museológicas têm estes momentos de coscuvilhice pura) foi o mais incansável estudioso destas remotas terras trasmontanas...

5 comentários:

Ana Carvalho disse...

Parece que este ano vários são os museus portugueses que se aventuraram nas candidaturas a Museu Europeu do Ano, o Museu Abade do Baçal, a Casa-Museu de Camilo, o Museu Marítimo de Ílhavo, o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e o Museu da Presidência da República.Não deixa de ser algo positivo...
Saudações,
Ana Carvalho

espaço história & arte disse...

obrigado pelas informações relativas à recolha de património cultural imaterial, é preciosa a sua ajuda...suponho q recorrerei a ela mais vêzes...sem abusar!!!

quanto à noticia sobre o museu Abade de Baçal q destaquei, admito que pesquisei pouco sobre o assunto e desconhecia as demais candidaturas...foi o entusiasmo da noticia q me estourvou a objectividade!!!
Estou de acordo consigo, acho q é definitivamente algo positivo...
beij

alexandrecastro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Desconhecia esta (boa) notícia. Não deixa de ser uma candidatura encorajadora para a museologia portuguesa e muito especialmente para o Museu Abade do Baçal!

www.oinventario.wordpress.com/

fernando josé disse...

E tinha um grande sentido de humor. Em casa dos meus pais existe uma moldura de fotografias, talhada pelo abade, onde está a fotografia dele, de dois primos (um deles meu bisavô) e de S. Francisco. Como o nome deles todos começava por Francisco, o abade escreveu com muito humor “quatro Franciscos e só um é santo”.